quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Balanço literário 2011 e bom 2012

Aqui fica a lista dos livros que li durante do ano de 2011:

1 - Rio das Flores - Miguel Sousa Tavares
2 -Uma palavra como resposta - Charlaine Harris
3 - As duas meninas vestidas de azul - Mary Higgins Clark
4 - O Homem Pintado - Peter V. Brett
5 - Hush, hush - Becca Fitzpatrick
6 - A filha da floresta -  Juliet Marillier
7 - Percy Jackson e os Ladrões do Olimpo - Rick Riordan
8 - A Rainha no Palácio das Correntes de Ar - Stieg Larsson
9 - Um erro inocente - Dorothy Koomoson
10 - A sociedade literária da Tarte de Casca de Batata - Mary Anne Shaffer & Annie Barrows
11 - Um sonho de amor - Nora Roberts
12 - O curandeiro - Herminio C. Francisco
13 - Uma grandioso e terrivel beleza - Libba Bray
14 - O Filho das Sombra - Juliet Marillier
15 - Aquele Verão na Toscana - Domenica de Rora
16 - HexHall - Rachel Hawkins
17 - O braço esquerdo de Deus - Paul Hoffman
18 - A mentira sagrada - Luis Miguel Rocha
19 - A rainha dos gelados - Anthony Capella
20 - Sozinha -  Raquel Rocheta
21 - Verão na cidade - Candace Bushrell
22 - Eternidade - Alyson Noel
23 - Sangue Furtivo - Charlaine Harris
24 - A vida de um pai adotivo
25 - Um pequeno grande amor - Fátima Lopes

Fiquei orgulhosa de mim pois li mais 6 livros que o ano passado   :)   Hehehehehe, não é nenhum concurso mas gosto sempre de ler um pouco mais que no ano anterior...

Para o próximo ano desejo a todos um ano o melhor possivel, com muita esperança no futuro, saude, paz, amor e muitos e bons livros para ler.

FELIZ ANO DE 2012

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Um pequeno grande amor de Fátima Lopes


SINOPSE:

"O amor por um filho não é fácil de descrever. Sente-se todos os dias. Mesmo quando a vida na prega partidas, quando os casamentos se desfazem, quando estamos cansados e nada parece fazer sentido, há sempre um pequeno grande amor que fala mais alto. Neste segundo romance, Fátima Lopes onde conta a história de Gonçalo e Estela, duas crianças que têm em comum serem filhas de pais divorciados. Nada apontava para o fim daquele casamento. Margarida, com um bebé de meses nos braços, apaixona-se e decide separar-se. Com o divórcio, vêm as ameaças e as chantagens. É neste ambiente que cresce Gonçalo, protegido pelo amor de uma mãe disposta a tudo para garantir a felicidade do filho. Estela não está nas prioridades da mãe, ocupada entre o trabalho e as amigas. Foi o pai que lhe mudou as fraldas e a embalou nas noites agitadas. Com o divórcio, este pai não desiste de acompanhar a filha em todos os grandes passos da sua vida. Num discurso sensível e intimista, Fátima Lopes transporta-nos para o universo dos mais pequenos. Como os seus olhos vêem os dramas dos adultos, como sentem as disputas e os insultos sem sentido, como sofrem sem perceberem a razão. Os nossos filhos serão sempre pequenos para receber o grande amor que temos para lhes dar."

MINHA OPINIÃO:
Ora aqui está um livro no qual não gastaria o meu dinheiro. Foi emprestado e tive curiosidade em ler, visto que hoje em dia todo o gato sapato escreve livros. Também não simpatizo com a escritora em causa, de facto até me irrita, por isso quis ler o saia da sua cabeça. Depare-me com uma história comum nos dias que correm, crianças filhas de pais separados que acabam por sofrer com os desentendimentos que existem entre eles ou com a distância física que por vezes existe.  Confesso que me senti presa à história pela sua temática mas não pelo tipo de escrita, que me parece muito pretensioso para o tipo de livro em causa. E cheguei ao fim com a sensação que faltava alguma coisa, tendo virado ainda as paginas para ver se me tinha faltado ler mais algum capitulo... fez-me lembrar uma composição que fiz nos meus idos tempos de escola, em que a finalizei com um terramoto que arrasou tudo, por falta de tempo para desenvolver o tema escolhido  :)   Enfim, toda a gente escreve livros hoje em dia e cada vez me convenço que também tenho de o fazer um dia destes...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Livros de natal

Como foi o vosso natal literário? Receber muitos livros? Pois eu não recebi nenhum, mas também recebi poucas prendas, pois desde que tenho filhos, as prendas são para eles. Mas eles receberam alguns livros e aqui ficam quais   :)









Só me resta ficar à espera do resultado dos concursos de blogs de livros, pode ser que chegue algum Pai Natal atrasado   :)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Bom Natal



Um Natal cheio de paz, amor e muita saude é o que desejo a todos os que nos visitam. E já agora muitos e muitos livros no sapatinho, que para mim é a melhor prenda que me podem oferecer (mas também aceito outra....  :)                   BOAS FESTAS!!!!



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Livros novos dos meus filhos

Com o 3º aniversário do mais novo lá de casa, muitas prendas chegaram antes do natal, inclusive alguns livros, que fizeram as delicias dos miúdos. Aqui estão os que o Eduardo recebeu:




 
E o mano mais velho, de 6 anos, também teve direito a uns livrinhos para não ficar triste de as prendas serem só para o mano  :)








Adoro incentivar as crianças a lerem e a gostarem de livros, a trata-los bem, como um amigo de todas as hora... Os meus filhos tem crescido habituados a ver uma mãe quase sempre com um livro debaixo do braço. O mais velho começou a ler aos 3 anos, o mais novo adora que lhe leiam histórias. Penso que podemos ter uma boa influência junto das crianças a incentiva-las neste sentido mas claro que também tem a ver com o que elas gostam ou não. Que pensam sobre este assunto?

Boas leituras

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

A vida de um pai adotivo


SINOPSE:
"A adoção de uma criança pelo ponto de vista de um pai. A adoção não é um gesto de amor para uma criança e sim o gesto de amor de uma criança para seus pais."

MINHA OPINIÃO:
Descobri este livro na net e li-o porque me interessa do ponto de vista pessoal. Adotei o ano passado um menino de 13 meses e existe muito pouco sobre este assunto, por isso gosto de tudo o que aparece sobre adoção. Este livro é brasileiro por isso relata a experiência nesse pais, pelo menos fico a saber que em outro continente as coisas não são tão diferentes da realidade portuguesa, onde se espera 8 anos por uma criança...