segunda-feira, 29 de junho de 2009

Sangue Fresco

E pronto, já acabei de ler este livro:

Foi o livro que o meu filho me ofereceu no dia da Mãe, em Maio e que ele escolheu especialmente para mim.

Gostei. Eu pessoalmente sou fã deste tipo de livros, cujo tema é o fantástico, por isso achei piada e recomendo. No próximo mês vai sair o 2º livro desta saga e eu fiquei com vontade de o comprar também. E vou sabendo alguma coisas neste blog

http://sangue-fresco.blogs.sapo.pt/

que tem andado um bocadinho parado mas foi lá que soube que ia sair o próximo livro.

Também descobri que a série baseada neste livro está a passar no canal MOV da Zon e consegui apanha-la no seu 5º episódio e percebi logo em que parte do livro ia. Um bocadinho violenta, diga-se de passagem, não dá para ver com o Dinis por perto, que está sempre atento a tudo, mas gravo e vou vendo quando posso.

Boas leituras

domingo, 21 de junho de 2009

Acabei de ler


Mil Sóis Resplandecentes
Hosseini, Khaled
Há livros que se enquadram na categoria de verdadeiros fenómenos literários, livros que caem na preferência do público e que são votados ao sucesso ainda antes da sua publicação. Há já algum tempo que se ouvia falar de Mil Sóis Resplandecentes, do afegão Khaled Hosseini, depois da sua fulgurante estreia com O Menino de Cabul, traduzido em trinta países e agora com adaptação cinematográfica em Portugal. A verdade é que assim que as primeiras cópias de Mil Sóis Resplandecentes foram colocadas à venda, o romance liderou o primeiro lugar nos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Alemanha, Holanda, Itália, Noruega, Nova-Zelândia e África do Sul, estando igualmente muito bem classificado no Brasil e em França. A própria Amazon americana afirmou que há muito tempo não tinha visto um entusiasmo tão grande a propósito de um livro. Devido ao elevado número de encomendas, nos Estados Unidos, foram realizadas cinco reedições ainda antes do livro chegar às livrarias e na primeira semana após a publicação, já tinham sido registadas um milhão de cópias em circulação. É pois um caso verdadeiramente arrebatador que combina preferências populares potenciadas pelo efeito de passa-palavra às melhores críticas internacionais. Confirmando o talento de um grande narrador, Mil Sóis Resplandecentes passa em revista os últimos trinta anos no Afeganistão através da comovente história de duas mulheres afegãs casadas com o mesmo homem, unidas pela amizade e pela dor proveniente dos abusos que lhes são infligidos, dentro e fora de casa, em nome do machismo e da violência política vigente durante o regime taliban, mas separadas pela idade e pelas aspirações de vida. Um livro revelador, que aborda as relações humanas e as reforça perante reacções de poder excessivo e impunidade.


Acabei a leitura deste livro este fim de semana. Gostei muito.

È um pouco a história do Afeganistão. Mostra-nos uma realidade cruel e louca onde tudo é permitido a quem está no poder.
Ao lê-lo senti-me na pele daquelas duas mulheres, senti as suas esperanças de mudança as suas contínuas desilusões. Apesar da atitude dos talibãs em relacão à mulher e a qualquer tipo de cultura, conseguiram defender (mesmo com a própria vida) o amor, a amizade e a educação! . E pensar que estas coisas se passaram à relativamente pouco tempo impressionou-me bastante.


Fiquei com vontade de ler " O menino de Cabul" que é do mesmo escritor.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Fortaleza Digital



"Quando o ultra-secreto e invencível descriptador da NSA, o Crivo, se depara com uma mensagem indecifrável criada por um <anjo caido> da própria agência, o director de operações recorre à brilhante criptógrafa Susan Fletcher e ao seu noivo, um professor de Literatura, para o ajudarem a desvendar o mistério.
Qual será a natureza do terrível código que tomou a NASA como refém? E terá David Becker êxito na sua demanda por um misterioso anel?
Apanhada numa vertiginosa rede de secretismos e mentiras, Susan tenta desesperadamente salvar a agência em que acredita e, mais tarde, a própria vida e a do homem que ama.
Mas será essa a resposta para a segurança universal?
Chegando o momento da verdade, >"


Gostei deste livro. Confesso que sou fã da escrita do Dan Brown. Gostei muito do "Código Da Vinci", apesar de o final me ter desiludido um pouco. O filme deixou-me um pouco desiludida, os personagens que tinha imaginado na minha cabeça não tinham nada a ver com o que aparecia no grande ecran. Também gostei de ler "Anjos e Demónios" mas ainda não vi o filme. Recomendo a quem ainda não leu, este livro que foi o 1º deste escritor.

Já lidos deste escritor:





Na prateleira para ler:

domingo, 14 de junho de 2009





Acabei de ler






Lua Nova
Meyer, StephenieSegundo Livro da trilogia 'Luz e Escuridão'. Para Bella Swan existe algo mais importante do que a própria vida: Edward Cullen. Porém, estar apaixonada por um vampiro é ainda mais perigoso do que alguma vez poderia ter imaginado. Edward já salvou Bella das garras de um vampiro maléfico, mas agora, à medida que a sua destemida relação ameaça tudo o que se encontra por perto e todos os que lhes são queridos, eles apercebem-se de que os seus problemas podem estar apenas a começar... Legiões de leitores, arrebatados por "Crepúsculo", sucesso de vendas do 'The New York Times', estão ansiosos pela continuação da história dos amantes perseguidos pela má sorte, Bella e Edward. Em "Lua Nova", Stephenie Meyer assina outra irresistível combinação de romance e "suspense" com um toque sobrenatural. Apaixonante, fascinante e cheia de surpreendentes reviravoltas, esta saga amorosa de vampiros caminha a passos largos para a imortalidade literária
.




A minha opinião


O "Crepúsculo" foi o primeiro livro de vampiros que li e gostei bastante por isso parti para esta leitura cheia de expectativas. A primeira metade do livro não me agarrou. Foi uma leitura morna, a marcar passo, não andava nem desandava, até que quando eu já estava a desmoralizar, de repente, animou e então sim gostei muito e já estou à espera que me emprestem o terceiro.



Li Também


Manuel Arouca
Deixei o meu Coração em África
No decorrer do mês de Dezembro, recebi mais um monte de cartas. Passei-as como quem folheia ansiosamente as folhas de um livro. Depois de me aperceber que o silêncio de Isabel permanecia, fui separando os envelopes, um a um: lá estavam a fiéis cartas da minha mãe, do meu pai, da Leonor. Mas senti um impulso de não as abrir. Naquele particular momento, sem influência do álcool, da noz de cola, só, naquela pujante e inebriante natureza, senti-me profundamente ligado a África e interiorizei que nunca mais de lá sairia. Em termos de paixão, só Isabel me ligava a Portugal
.

A minha opinião
Nunca tinha lido nada deste autor e também não fiquei fã.
Este livro retrata a sociedade portuguesa nos anos sessenta e setenta. O contraste da vida e dos sentimentos dos que foram para a guerra em África e da vida dos que ficaram. Foca ainda a vida dos portugueses, que não estavam na guerra, em África. Salvo raras excepções é a alta sociedade e a média alta que é caracterizada e para mostrar a sua indiferença por aqueles que lutavam pelos seus interesses o autor perde-se em descrições de festas, da moda "in" e outras coisas mais....
Decidamente este livro não me conquistou.


















sexta-feira, 12 de junho de 2009

O confessor



"Munique: o escritor Benjamin Stern entra no seu apartamento e é alvejado. Moribundo, ouve o assassino murmurar umas palavras em latim,pegar nos papeis e sair.
Veneza: Gabriel Allon aplica cuidadosamente um toque de tinta ao Bellini e lê a mensagem que lhe entregam. Com um suspiro, o agente da Mossad começa a arrumar os piceis.
Vaticano: o padre Pietro anada de um lado para o outro no jardim, a pensar nas coisas que decobriu e na viagem que o espera. Haverá mortes.
Ao londo das três semanas seguintes, as viagens dos três irão cruzar-se e mudar para sempre a vida de cada um deles. Bem como a de milhões de pessoas...
"

Tinha alguma expectativa neste livro. Já à bastante tempo que queria ler alguma coisa do Daniel Silva e não tinha ainda tido oportunidade para isso. Mas foi um livro que não me prendeu a atenção logo nas 1ªs páginas. A partir do meio queria le-lo sem parar, para saber o que ia acontecer a seguir. E o saldo final foi positivo. Apesar do esforço inicial, gostei do que li. Por isso leiam e digam-se de vossa justiça.

Boas leituras

quinta-feira, 4 de junho de 2009

A Fórmula de Deus

"Nas escadarias do Museu Egípcio, em pleno Cairo, Tomás Noronha é abordado por uma desconhecida. Chama-se Ariana Pakravan, é iraniana e traz consigo a cópia de um documento inédito, um velho manuscrito com um estranho titulo e um poema enigmático. O inesperado encontro lança Tomás numa empolgante aventura, colocando-o na rota da crise nuclear com o irão e da mais importante descoberta jamais efectuada por Albert Einstein, um achado que i conduz ao maior de todos os mistérios.

A prova cientifica da existência de Deus

Uma história de amor, uma intriga de traição, uma perseguição implacável, uma busca espiritual que nos leva à mais espantosa revelação mística de todos os tempos. Baseada nas últimas e mais avançadas descobertas cientificas nos campos da física, da cosmologia e da matemática, A Fórmula de Deus transporta-nos numa surpreendente viagem até às origens do tempo, à essência do universo e ao sentido da vida."




Este foi o livro que acabei de ler agora. Não é um livro muito simples de ler e toda a gente que já o leu me diz que terá de o ler de novo com mais atenção. Por isso tentei -lo sem pressas. Gostei do que li. Apesar de achar os livros do José Rodrigues dos Santos um pouco extensos nas descrições, é uma leitura que me prende. E este livro fez-me pensar. Desde que a minha mãe faleceu que minha fé entrou em crise e por vezes penso no significado de tudo isto, da vida. E o que li neste livro faz sentido para mim. Sei que é ficção mas fez-me pensar que tem de haver mesmo algo superior a nós, pois as coincidências são tantas, que não pode ser apenas por acaso que tudo acontece. Aconselho pois a ler este livro.

Outros livros já lidos deste autor:





Na prateleira para ler: